domingo, 8 de julho de 2018

Hinamatsuri


Sabe quando você olha a capa de um anime e se interessa por ele, daí decide ler a sinopse para entender mais a seu respeito? Normal, né? Mas e quando essa descrição ainda parece vaga e não te revela muito sobre a obra? Tudo o que resta é assistir o primeiro episódio e entender qual é a do anime.

Foi isso o que fiz com Hinamatsuri, anime que estreou em abril deste ano. Mas para a minha surpresa, o primeiro episódio foi totalmente contra as minhas expectativas ao ver a capa e ler a sinopse. Eu imaginei que seria um slice of life com tema festivo, mas fui recebido por uma garota alienígena, dentro de um ovo, chegando ao apartamento de um homem da Yakuza. Isso que eu chamo de primeiras impressões impactantes! Mas o anime conseguiu manter o impacto ao longo de sua duração?

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Sakura Card Captors: Clear Card Arc



Ano passado, eu assisti pela primeira vez o anime favorito de muitos brasileiros da geração Z durante a infância, o famoso Sakura Card Captors. O resultado não poderia ser outro: me apaixonei à primeira vista, se tornou um de meus animes prediletos e não parei de falar a respeito dele durante um bom tempo. Minha análise a seu respeito é uma das que mais utilizei palavras de amor e gratidão.

Ainda em 2017, foi anunciado que a obra ganharia uma sequência no ano seguinte, 20 anos após sua estreia em 1998. Você imagina a minha reação ao saber dessa notícia. Fiquei tão empolgado quanto com o lançamento de Super Mario Odyssey, ou seja, a um nível exorbitante, ainda mais ao ler que manteriam a equipe de produção do anime original. Pois bem, avançando a 2018, mês passado foi ao ar o último episódio de Sakura Card Captors: Clear Card Arc. A série viveu às altas expectativas?

sábado, 16 de junho de 2018

Amagi Brilliant Park


Por mais que grande parte dos animes da Kyoto Animation sejam do gênero slice of life, o estúdio trata de diversos temas distintos em seus trabalhos. Síndrome da 8ª série, a vida em um clube colegial de banda, como o bullying pode destruir vidas, a obsessão de garotas pela cultura otaku e a convivência com dragões disfarçados de humanos, só para citar alguns exemplos.

Mas o tema mais inusitado de qualquer um deles é o de gerenciamento de um parque de diversões. É disso que Amagi Brilliant Park se trata, produção de 2014 do estúdio. Esse é um de seus animes mais diferenciados, pois deixa de lado o estilo slice of life e opta por uma narrativa fantasiosa com elementos de aventura, mesclados com comédia e *ahem* fanservice. Mas será que esse parque conseguiu me divertir ou foi como uma fila gigante do Hopi Hari?


domingo, 27 de maio de 2018

DISSECTING SCENES – Pots, looks and regrets (Hibike! Euphonium 2, Ep. 10)


Today I’ll premiere a new column of the blog: Dissecting Scenes! As the name implies, I’ll be analyzing specific details and aspects of scenes in which the content is rich enough to render an individual text about it.

With this inaugural text, I’ll be talking about three interconnected moments of the 10th episode of the second season of one of my favorite anime ever, Hibike! Euphonium. Since they are VERY important to the story, spoiler alert. Without further ado, let's dissect!

DISSECANDO CENAS – Panelas, olhares e arrependimentos (Hibike! Euphonium 2, Ep. 10)


Chegou a hora de eu inaugurar uma nova coluna do blog: Dissecando Cenas! Como o nome indica, analisarei detalhes e aspectos específicos de determinadas cenas cujo conteúdo é o rico o suficiente para render um texto individual a respeito.

Com esse texto inaugural, abordarei três momentos interconectados do 10º episódio da 2ª temporada de um dos meus animes favoritos, Hibike! Euphonium. Como estes são muitíssimo importantes ao enredo da obra, fica o alerta de spoiler. Sem mais delongas, vamos dissecar!

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Air


Durante seus primeiros anos de produção de séries, a Kyoto Animation se consagrou com adaptações de visual novels da empresa Key, com a mais conhecida dessas sendo Clannad, cuja 2ª temporada (After Story) é tida como um dos animes mais emocionantes de todos os tempos, mas essa aí foi a terceira adaptação do estúdio de um material da Key.

A primeira foi um anime chamado Air, de 2005. Não só é a primeira adaptação de uma visual novel do estúdio como também é um de seus primeiros animes produzidos. A KyoAni é conhecida por seu trabalho visual formidável de animação e direção, mas será que eles se destacavam nisso desde o início?

sábado, 5 de maio de 2018

Sora Yori mo Tooi Basho


Viajar é uma das melhores experiências que existem. Das últimas vezes que viajei, eu voltei para casa com o pensamento "é por isso que eu trabalho, para poder viajar". Mais fantástico ainda é quando se viaja com amigos. Não há nada mais gratificante do que descobrir novos lugares com amizades que você tanto preza. É uma sensação que vai muito além do que um bem material pode proporcionar, pois é algo que só pode ser experienciado uma única vez. As lembranças de uma viagem são umas das maiores fontes de felicidade que existem. Viajar é uma experiência transformadora.

Isso que, por enquanto, minha experiência se resume a viagens dentro do Brasil, porque foram os únicos lugares que visitei até então, mas imagina o peso de uma viagem para a Antártida? Pois é isso que Sora Yori mo Tooi Basho mostra: uma jornada ao lugar mais longe que o universo, como diz o nome em inglês do anime, A Place Further Than the Universe. Enquanto ainda era exibido (com apenas 4 episódios lançados), escrevi um texto sobre como a obra aborda aspirações, em que digo que o anime poderia se tornar um dos melhores do ano. Dito e feito.